O que fazer para melhorar a aparência da pele nas reuniões virtuais?

O que fazer para melhorar a aparência da pele nas reuniões virtuais?

Neste período de isolamento social, as reuniões virtuais se sucedem e não são apenas de trabalho. Com a necessidade da quarentena, estamos nos reunindo a distância também com familiares e amigos, por meio de chamadas de vídeo. Uma característica desses encontros é que a câmera mantém o foco no rosto, chamando nossa atenção para a aparência da pele, áreas de maior flacidez e de sombras que dão a sensação de cansaço.

“Cada vez mais, venho atendendo pacientes que relatam sentir algum incômodo nas reuniões virtuais. As reclamações costumam ser aparência cansada devido às olheiras, perda de volume dos lábios e rugas ao redor deles e perda do contorno facial”, diz a doutora Luciana Cattini, especialista em dermatologia pela SBD e AMB (Associação Médica Brasileira). A tendência é que, ao notarmos na aparência da pele e do rosto algo que desagrade, nossa autoestima seja abalada, o que prejudica a concentração ao longo da chamada. Esse efeito, que é comum para as pessoas vaidosas, pode ser bem negativo em uma reunião de trabalho, que conta com a presença do cliente ou do chefe.

A boa notícia é que há solução para isso. Antes de mais nada, você deve checar as condições técnicas desses encontros virtuais. Caso a incidência de luz esteja inadequada, você ficará com a imagem abatida, aparentando cansaço. Outra dica é testar a luz, escolhendo o ângulo que favorece sua imagem. Opte pela luz natural, que ilumina de forma mais eficiente não apenas você como também o ambiente.

Se, mesmo depois de fazer isso, a aparência da pele estiver incomodando, não se preocupe. De forma geral, as pessoas estão realmente cansadas depois de tantos dias de quarentena. Além disso, a pandemia do novo coronavírus é um motivo de muita preocupação.

Nesse cenário, alterações dermatológicas são comuns, como as olheiras. Os fatores externos do dia a dia, como noites mal dormidas e alimentação não saudável, favorecem o surgimento delas. Para que o dermatologista recomende o tratamento correto, é preciso que descubra antes o tipo de olheira, e esse trabalho é realizado no consultório. Clique aqui para saber tudo sobre olheiras.

Outras duas reclamações comuns nesta época de pandemia são acne e queda de cabelo, e ambas têm relação com fatores emocionais, como estresse e ansiedade, que são muito relatados durante o confinamento. A acne é provocada pelo aumento da produção da glândula sebácea, cuja função é produzir oleosidade. O cortisol, conhecido como “hormônio do estresse”, provoca a hiperestimulação da glândula sebácea, o que eleva a oleosidade da pele. Sobre essa relação entre acne e quarentena, vale a pena ler este post que escrevemos recentemente.

Rugas ao redor dos lábios

“Assim como as olheiras, as rugas ao redor dos lábios podem ser tratadas no consultório de dermatologia. Essas rugas, também chamadas de periorais, têm aparência de um código de barras”, explica a doutora Luciana.

O tratamento adequado é feito com o laser Fotona intraoral, envolvendo a pele e a mucosa, e associado com o preenchimento labial ou aplicação do ácido hialurônico apenas para hidratação dos lábios. O objetivo é dar estrutura para os lábios e fazer com que eles ganhem mais firmeza, proporcionando a melhora da qualidade da pele e da mucosa. Confira o post completo sobre preenchimento labial clicando aqui.

Perda do contorno facial

A partir dos 40 anos, começa o redirecionamento das bolsinhas de gordura que estruturam a face, processo que está associado ao remodelamento ósseo.

O remodelamento causa a reabsorção da estrutura óssea, fazendo com que algumas áreas de sustentação fiquem mais suscetíveis ao envelhecimento e resultando em flacidez, principalmente no terço inferior da face. 

Também gera o início da perda do contorno facial. Essa alteração é facilmente percebida na câmera, motivo pelo qual pode gerar desconforto no momento em que percebemos excesso de pele próximo ao queixo ou apagamento dos limites ósseos que separam a face do pescoço.

Paciente com melasma precisa tomar cuidado

Não é apenas a exposição à luz solar que provoca ou agrava as manchas escuras ou acastanhadas conhecidas como melasma. A luz visível, que é emitida pelas lâmpadas artificiais e pelos aparelhos eletrônicos, como celular, televisão e computador, também causa ou piora o melasma.

Por isso, neste momento de uso intensivo da tecnologia, a orientação, para o paciente com melasma, é redobrar os cuidados, aplicando diariamente na pele fotoprotetor ou filtro solar de no mínimo FPS 30.

Você também se preocupa com a aparência da pele nas reuniões virtuais? Fique à vontade para responder no espaço de comentários, assim como para solucionar suas dúvidas. Estamos à disposição!

Deixe um comentário

Your email address will not be published.