Efeitos da poluição na pele: como você pode se proteger?

Efeitos da poluição na pele: como você pode se proteger?

Entre os efeitos da poluição na pele estão piora da acne, rosácea, obstrução dos poros nos casos de dermatite e eczema, desenvolvimento de manchas e até mesmo câncer. “A exposição à poluição causa estresse oxidativo, que é um dos motivos de danos celulares”, diz a doutora Luciana Cattini, especialista em dermatologia pela SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) e AMB (Associação Médica Brasileira). 

O estresse oxidativo é resultado da formação dos radicais livres, cujo surgimento está ligado, entre outros fatores, à poluição. Os radicais livres não são bem-vindos no organismo porque causam modificações nas células. A degradação do colágeno, substância que dá sustentação à pele, é um dos danos gerados pelo estresse oxidativo. Na prática, isso significa envelhecimento precoce da pele, incluindo suas consequências, como perda da elasticidade, alteração da textura e aparecimento de rugas, conforme escrevemos neste post. 

“Nesse processo, há produção de um elemento que se chama oxigênio reativo. Ele altera o metabolismo celular, o que resulta na formação do radical livre superóxido hidroxila, que provoca o envelhecimento da célula e a secreção de citocinas inflamatórias”, explica Luciana. 

Pele oleosa

Os efeitos da poluição na pele são ainda mais danosos para as pessoas com pele oleosa. As partículas de poluição envolvem os hidrocarbonetos poliaromáticos, que são substâncias lipofílicas, ou seja, têm afinidade com pele oleosa. 

Apenas como base de comparação, para que se tenha ideia da toxicidade dessas substâncias, a mancha de óleo derramada em outubro do ano passado no litoral brasileiro tinha na sua composição os hidrocarbonetos poliaromáticos, que, nesse caso, podem passar despercebidos, já que, devido ao seu baixo peso molecular, acabam se misturando com a água. 

As pessoas que têm pele oleosa precisam, portanto, de cuidados redobrados, especialmente depois de exercerem suas atividades profissionais o dia inteiro fora de casa. “Se não houver a higienização do rosto à noite, o contato ininterrupto com as partículas poluentes levará ao aumento da vascularização, das manchas, já que ocorrerá absorção desses poluentes pela pele”, alerta Luciana. “Os hidrocarbonetos poliaromáticos penetram com facilidade nas peles oleosas, o que resulta em danos celulares”, complementa a dermatologista. 

Poluição do ar associada à radiação solar

Os efeitos da poluição na pele podem ser potencializados pela radiação solar, de acordo com estudo alemão disponibilizado na National Library of Medicine, ligada ao governo dos Estados Unidos e considerada a maior biblioteca médica do mundo. 

Nos países de alta incidência solar, como o Brasil, essa constatação inspira cuidados maiores com a pele. Ainda segundo a pesquisa, a poluição do ar alinhada à radiação solar potencializa o envelhecimento da pele e a formação de manchas, inclusive na face. 

Outro estudo conhecido, que foi divulgado pelo Journal of Investigative Dermatology, fez a relação entre poluentes emitidos por fábricas e automóveis e alterações dermatológicas, como formação de pigmentos escurecidos e rugas. 

Como proteger a pele?

A boa notícia é que você pode se proteger dos efeitos da poluição na pele. Para isso, os cremes hidratantes têm papel fundamental. Muitos já têm essa proposta de tratar o estresse oxidativo causado pela poluição. 

“Os cremes podem ter ativos que melhoram a função de barreira, impedindo a penetração dos poluentes”, explica Luciana. “Ou ainda podem ter substâncias antioxidantes que revertem a ação inflamatória, a degradação do colágeno e o envelhecimento precoce, que são efeitos da poluição na pele”, complementa. Os ativos podem estar presentes no protetor solar aplicado pela manhã, nos cremes que precedem o protetor ou na importantíssima rotina da noite. 

Esses cuidados à noite, para as mulheres, devem ser feitos em três etapas: uso do demaquilante, utilização do sabonete adequado para o tipo de pele e, por fim, complementação com tônico. O sabonete adstringente ou abrasivo é recomendado para peles oleosas. Já o sabonete calmante ou neutro deve ser usado por quem tem a pele ressecada. “O tônico complementa a higienização, fazendo com que a limpeza seja mais eficiente. Isso porque retira as partículas menores, as mais finas, como o carbono negro e os hidrocarbonetos, que podem se depositar nos poros e, a partir daí, serem absorvidos pela pele”, finaliza Luciana.

Os efeitos da poluição na pele são muito ruins, especialmente nas grandes cidades. Por isso, os cuidados dermatológicos devem ser diários. Fique à vontade para entrar em contato. A Dra. Luciana está à disposição!

Deixe um comentário

Your email address will not be published.