Dermatologia estética também exige análise cuidadosa do paciente

Dermatologia estética também exige análise cuidadosa do paciente

A dermatologia estética é cada vez mais buscada pelas pessoas, que, de forma geral, estão preocupadas com a saúde e o bem-estar. De acordo com pesquisa do instituto Ipsos a pedido da farmacêutica Allergan, que entrevistou mais de 14,5 mil adultos provenientes de 18 países, incluindo o Brasil, 69% das pessoas disseram que contar com a melhor aparência é importante para suas atividades diárias, motivo pelo qual estão interessadas nos tratamentos estéticos. Mais da metade (57%) afirmou que a aparência influencia na obtenção de sucesso em todos os aspectos da vida. Dois terços disseram que apresentar boa aparência e seguir as tendências da moda e da beleza contribuem para a autoestima. 

“A aceitação crescente dos tratamentos estéticos empoderou mulheres e homens em todo o mundo a considerar esses procedimentos como parte do processo de alcançar o potencial pleno”, disse, em entrevista aos pesquisadores do Ipsos, Jonquille Chantrey, cirurgião estético britânico. 

O estudo fez descobertas curiosas. No próximo ano, 32% dos consumidores disseram que planejam fazer algum tipo de preenchimento facial. As maiores preocupações – de homens e mulheres – dizem respeito a rugas que aparecem com a idade. Considerando as mulheres, 54% delas disseram que o maior receio são as bolsas ao redor dos olhos, que também costumam surgir com o passar dos anos. As consumidoras se espelham nas celebridades. Para elas, são as famosas que definem o padrão de beleza. A exceção a esse pensamento fica por conta de três países: Estados Unidos, Canadá e Índia. Nesses lugares, o padrão de beleza vem mais das amigas e da família do que das celebridades. 

Como a pesquisa demonstra, o paciente interessado no procedimento estético sabe exatamente qual a sua necessidade, ou seja, o que gostaria de mudar na sua aparência. “Cabe ao dermatologista ir além. O profissional deve estar engajado no contexto do paciente, e não apenas na queixa que ele trouxe ao consultório”, diz a doutora Luciana Cattini, que possui título de especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e pela Associação Médica Brasileira (AMB). 

“Já identifiquei tipo de câncer agressivo em paciente que me procurou para fazer um procedimento de botox”, exemplifica. “É parte imprescindível do meu trabalho analisar o paciente, verificando, por exemplo, todas as pintas. O cuidado é ainda maior se o paciente tem histórico de câncer de pele na família”, explica Cattini.

No caso de identificação de uma doença, a dermatologia passa a ser clínica. Isso significa que o paciente pode chegar ao consultório com uma demanda de dermatologia estética, mas, na realidade, ser uma de clínica. Essa situação não é incomum, e sua identificação só ocorre se o dermatologista estiver realmente atento à saúde do paciente. “Não posso cuidar da parte estética sem cuidar antes da saúde, da questão dos tumores, por exemplo”, observa Cattini.

Busca da informação

Ainda segundo o estudo do instituto Ipsos, quatro em cada dez consumidores recorrem à internet para procurar informações sobre um problema específico de pele e sobre procedimentos estéticos. 

O que vem ocorrendo – com a dermatologia e com outros campos da medicina – é que o paciente chega ao consultório com uma opinião formada. Esse diagnóstico formulado pelo paciente costuma estar errado e atrapalha o tratamento, especialmente o clínico. 

Claro que há informações de qualidade disponíveis na internet. Um a cada cinco consumidores segue o perfil ou a página de um médico nas redes sociais para saber mais sobre a dermatologia estética. Nesses locais, há de fato uma preocupação com a assertividade do conteúdo publicado. 

“Ainda que o tratamento estético passe por uma fase inédita em termos de aceitação social, nós ainda estamos educando os consumidores todos os dias em relação ao básico”, disse, em entrevista para os pesquisadores do Ipsos, o cirurgião plástico Julius Few, que trabalha na cidade de Chicago. 

Quer saber mais sobre dermatologia estética? Ou ficou com alguma dúvida? Fique à vontade para deixar seus comentários!

Deixe um comentário

Your email address will not be published.